Yoga sem hesitações

Yoga é uma palavra que pode provocar as mais variadas reações em um imaginário coletivo. De seita à religião, de acrobacias a gurus barbudos, passando por misticismo, fanatismo, esoterismo e tantos outros “ismos”.  Mas te convidamos a deixar de lado, ao menos por alguns instantes, todas as ideias pré-concebidas que você possua sobre o tema. A boa notícia é que tem para todos os gostos, todos os corpos, e você pode moldar o yoga à sua maneira.

Um dos principais motivos de hesitação é aquele de associar o yoga a alguma religião e/ou a uma categoria restrita de pessoas (geralmente calmas, flexíveis e longilíneas).  Conclusões compreensíveis, porém equivocadas. Primeiramente,  saiba que Yoga não tem nada a que ver com religião.  Mas confesso que pode assumir uma conotação espiritual. Pode, não deve! Diferente do que muitas pessoas pensam, espiritualidade e religião são duas coisas bem distintas (mas isso daria um texto à parte). Espiritualidade é vivenciar um senso de conexão com algo que você considere sagrado.  Que pode ser o amor pelos seus familiares, um pôr-do-sol, um banho de mar. É a capacidade de reconhecer que existe algo que transcende o tangível, e honrar a vida e o amor presente em todas as coisas. Mas você também pode fazer yoga sua vida inteira e simplesmente desfrutar do bem estar físico e mental que irá lhe proporcionar. Sem mais!  

Prática de yoga para todos. Bora praticar?

No que diz respeito ao outro fator comum de reticência, saiba que você não precisa ter paciência alguma ou ser uma pessoa calma, quanto menos ser delgado e flexível. Admito que muitas imagens difundidas na internet colaboram para a distorção do significado desta prática milenar (isso daria outro texto à parte). Existem diversas linhas de yoga.  Há estilos bem dinâmicos e fluidos, onde a permanência é mínima e o esforço é relevante. Da mesma forma, existem inúmeras posturas bem simples e compatíveis com qualquer corpo. Além disso, toda e qualquer postura, até mesmo a mais elaborada, possui estágios e  variações para que todos possam realizá-las. Algumas linhas prezam o alinhamento. Outras a permanência. Outras ainda possuem um caráter mais restaurativo e relaxante. Independentemente da linha que mais lhe agrade, um dos primeiros ensinamentos do yoga é o respeitar os limites do próprio  corpo. E este aspecto é primordial e comum a todos os estilos. Você aceita e respeita as condições fisiológicas do seu corpo, para então, pouco a pouco, superá-las.

Venha experimentar! Raissa Zoccal.

Deixe seu comentário!